sábado, 31 de março de 2012

.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
 .
a .a margarida


a minha melhor fotografia
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
 

quinta-feira, 29 de março de 2012

.
.
.
.
.
.
.
.
.
.estes castanheiros guardam as flores novas entre folhas forradas de pêlos tal como guardam a castanha numa "caixinha" aveludada, macia.
.
.





















folhas mãos
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.

quarta-feira, 28 de março de 2012

.
.

.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
milhões de pessoas,
milhões de células,
milhões de formigas,
milhões de grãos de pólen,
milhões de folhas nas árvores
e milhões de alfaces,
milhões de palavras,
e quilómetros
e milhões de microorganismos
e bactérias
e milhões de litros de água
e milhões de toneladas de terra,
milhões de moléculas de oxigénio,
milhões de batimentos do coração
e traços dos desenhos
e estrelas do Universo.
a.mar
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
 
.
 

terça-feira, 27 de março de 2012

.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
 .
.
.
.Foram os pássaros que me acordaram com a algazarra de contarem as aventuras dos sonhos e da noite que passaram na árvore em frente da minha janela, ontem e hoje...
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.

segunda-feira, 26 de março de 2012

.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
"O cume da montanha não existe por si mesmo, se ele está lá é por causa das encostas, da base, da montanha inteira. A montanha não pode estar lá por si mesma, só está lá devido a toda a paisagem"* e a todo o planeta e a todo o Universo.
* Hogên Yamahata
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.

.
.
.
  

domingo, 25 de março de 2012

.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
. .
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
 

sábado, 24 de março de 2012

.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
 .
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
 

sexta-feira, 23 de março de 2012

.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.doce amor
.
.










.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
 

quinta-feira, 22 de março de 2012

.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.




.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
 

quarta-feira, 21 de março de 2012

.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
..
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
 
.
.

terça-feira, 20 de março de 2012

.
.
..
.
.
.
.
.
.
.
.
.

chega a Primavera e já cá está o perfume do Jasmim no meu Jardim


.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.

domingo, 18 de março de 2012

.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.







.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
 

sábado, 17 de março de 2012

.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.









 .
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
 

sexta-feira, 16 de março de 2012

.
.

.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.



 
hoje Alegria por estares viva

 .
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.

quinta-feira, 15 de março de 2012

.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.












 

 .
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
 
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
ondas de som de a.mar

.
.
.
.
Agora amo a natureza (...)

 Religiosamente, a meu modo, como antes,
Mas de outra maneira, mais comovida e mais próxima...
Vejo melhor os rios quando vou contigo
Pelos campos à beira dos rios;
Sentado a teu lado reparando nas nuvens
Reparo nelas melhor...
Tu não me tiraste a natureza...
Tu mudaste a Natureza...
Trouxeste a Natureza para o pé de mim.
Por tu me amares, amo-a do mesmo modo, mas mais,
Porque tu me escolhestes para te ter e te amar(...)

Fernando Pessoa
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.

terça-feira, 13 de março de 2012

"Quando Vier a Primavera"

Quando vier a Primavera,
Se eu já estiver morto,
As flores florirão da mesma maneira
E as árvores não serão menos verdes que na Primavera passada.
A realidade não precisa de mim.

Sinto uma alegria enorme
Ao pensar que a minha morte não tem importância nenhuma

Se soubesse que amanhã morria
E a Primavera era depois de amanhã,
Morreria contente, porque ela era depois de amanhã.
Se esse é o seu tempo, quando havia ela de vir senão no seu tempo?
Gosto que tudo seja real e que tudo esteja certo;
E gosto porque assim seria, mesmo que eu não gostasse.
Por isso, se morrer agora, morro contente,
Porque tudo é real e tudo está certo.

Podem rezar latim sobre o meu caixão, se quiserem.
Se quiserem, podem dançar e cantar à roda dele.
Não tenho preferências para quando já não puder ter preferências.
O que for, quando for, é que será o que é.

Alberto Caeiro, in "Poemas Inconjuntos"
Heterónimo de Fernando Pessoa
.
..
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.um ninho de aranhas minúsculas
.







. .
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
 
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
 
Uma diversidade de vírus controlam a população das Heterosigma akshino.
Os vírus são uma forma que a Natureza encontrou de controlar o número de indivíduos de cada espécie.
Olha o ser humano a encontrar tudo o que é anti-vírus para sobreviver.
E a Natureza a lutar, com novas formas de vírus.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.

domingo, 11 de março de 2012

.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
 


Ao sol da manhã
uma gota de orvalho
precioso diamante.
Matsuo Bashô 
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
 

sábado, 10 de março de 2012

.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.o fim do Inverno abriu a flor

serão pêssegos

.






 
 .
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.

terça-feira, 6 de março de 2012

.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
parasitas na orquídea
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
  

segunda-feira, 5 de março de 2012

.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
orquídea
.
.
.
.
.





.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
  

domingo, 4 de março de 2012

.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.

.
.tulipa
.
 .
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.