sexta-feira, 9 de outubro de 2009

.




.








.
nós, Universo, já nos apercebemos que temos que reduzir a população na Terra, para isso temos a infertilidade, temos as doenças e a fome, temos a guerra, temos a crise económica.
Temos que... ou não temos que nada.
Este planeta não suporta que cada ser humano tenha o direito ao conforto duma mesa farta, de vacinas para todas as doenças, duma casa, um carro, um computador. talvez quando formos menos. Nós, ocidentais já começámos a reduzir drasticamente a natalidade.
Não admira que se tenha que travar o nosso instinto criativo.
Para que falte a esperança num futuro melhor. Para que não se projecte para outro tempo. Para que não se criem ilusões e não se viva da Fé
Se chame a atenção para o agora, aqui.
Tem atenção à energia do teu corpo e às fantásticas capacidades do teu cérebro.
Queres aprender a gerir essa energia e descobrir as capacidades?
Vem fazer um curso- 150€. É a média. É claro que a passagem de conhecimento tem que gerar lucro para outros investimentos futuros.
Até acreditar tem qualquer coisa a ver com dar crédito.
Hoje estou um bocadinho sêca.
"se as tuas palavras não servirem para humedecer a lembrança nos outros(...) deves guardar silêncio."
Chineses e Indianos espalham-se pelo resto do mundo, assim como a sua cultura se tem espalhado porque já não cabem no espaço que tinham e de tão fechados que sempre foram para o resto do mundo.
Daí manterem uma cultura tão enraizada e viva, uma energia de força colectiva.
E dá-me idéia, muito pouco insentivadora da criatividade.
Chineses e indianos espalham-se pelo resto do mundo - pensa um empresário europeu ou norte americano: se posso pagar 30 indianos ou chineses com 10, porque hei-de querer ter europeus ou americanos que tenho que pagar com 100. E no caso de Portugal, deixar ir para fora quem tem melhores capacidades, pois lá fora, quem tem dinheiro para lhes pagar, que lhes pague.
Cria Amor (sabes o que é amor?) que cabe dentro de ti, não ocupa espaço na Terra. E afinal será o mais valioso sentimento humano. Embora muitas vezes justificação para actos cruéis. "Ama os outros como te amas a ti próprio"- és capaz de te amar? de amar as tuas qualidades (as que se dizem boas e as que se dizem más)?
Ainda ontem ouvi gritar e chamar por estupida por se pensar que é melhor dar o vestido inteiro que já não serve do que deixar partir para fazer almofadinhas. Acreditas neste amor que chama estupido ao filho?
Compreendo que há primeira vista só se tenha visto que o filho desautorizou o pai.
A energia da abertura e do contacto com mais informação, mais conhecimento sobre a diversidade, aumenta o nosso poder invidual. para se sobreviver num meio austéro, com tantas solicitações, o nosso poder individual tem que ser resistente, forte, muito enraizado. O que sabemos de nós próprios tem que estar bem cimentado para sobreviver a catástrofes.
E, ao mesmo tempo, a quantidade de conhecimento dar a necessária flexibilidade para nos adaptarmos as condições adversas.
E a quantidade de conhecimentos, amigos, mais ou menos influentes também é poder.
Ser saudáveis e flexíveis. Boa alimentação e o exercício de todos e de cada músculo do nosso corpo.
E cultivar a compreensão.
Blá Blá Blá
Palavras que amanhã ou no pensamento doutros têm outros significados...
E quanto às espécies endémicas.
Existem tantas neste planeta.
Seres que só crescem em determinados lugares, sob determinadas condições.

2 comentários:

Ivo Serentha and Friends disse...

My compliments for your blog and pictures included,I encourage you to photoblog,

http://photosphera01.spaces.live.com

Greetings from Italy,

Marlow

real republica disse...

bravo!!!

viva D.Diniz!!!